A CDU tem acompanhado de perto o evoluir da situação do Rio Ave, inclusive com perguntas ao Ministério do Ambiente. Em Abril fomos de novo confrontados com informações de descargas poluentes no rio Selho, cuja origem segundo o Ministério do Ambiente deveram-se ao aumento da afluência de numa caixa de saneamento que se encontra no meio do Rio de Selho.

Quanto ao plano concertado de combate à poluição do Rio Ave que envolve várias entidades, tais como, a APA/ARH Norte, todos os municípios da bacia hidrográfica do Ave, o SEPNA, as Águas do Norte e organizações não-governamentais de âmbito local, o Governo admite existir e garante até que estão a ser feitas monotorizações no terreno juntamente com fiscalização da qualidade da água em parceria com os municípios.

Porém o rio Ave que é referência como exemplo de recuperação ambiental foi mais uma vez alvo de um crime ambiental.

No dia 27 de Setembro, na freguesia de Barco, em Guimarães, foram avistados “centenas e centenas” de peixes mortos num afluente do rio Ave. Uma descarga poluente poderá estar na origem da morte de tantos peixes. A denúncia foi feita pela população, logo de manhã, que alertou a junta de freguesia de Barco que, por sua vez, alertou o Serviço de Protecção da Natureza e do Ambiente (SEPNA) da GNR de Guimarães e que de imediato comunicou à APA. Os peixes mortos foram removidos pelos Bombeiros Voluntários das Taipas para não danificarem o resto da fauna.

Assim, de acordo com o artigo 6º do Regimento da Assembleia Municipal de Guimarães, a CDU requereu que fosse solicitado à Câmara Municipal de Guimarães o fornecimento, dentro do prazo previsto por Lei, das informações constantes neste requerimento:

– Cópia de todas as denúncias feitas por parte da população das últimas descargas que ocorreram na ribeira da Agrela. Caso existam denúncias de outras descargas ocorridas nas últimas semanas de Setembro, no rio ou noutros afluentes, solicitamos também o seu envio.

– Informação das diligências que foram tomadas por parte da Câmara Municipal de Guimarães para acompanhar este atentado ambiental, visto que existe a possibilidade de esta descarga ser da responsabilidade de estruturas da Vimágua.

– Informação escrita das diligências do executivo municipal na sequência das denúncias cada vez mais frequentes por parte da população, até tendo em conta que são feitas por populares que aceitaram o desafio do senhor Presidente da Câmara para que todos estivessem atentos e denunciassem as descargas poluentes.

 – Informação sobre o plano da Câmara Municipal de Guimarães para resolver a questão das águas pluviais, uma vez que estas têm que deixar de estar ligadas à rede de saneamento, porque para além de aumentarem os custos do tratamento das águas residuais, contribuem para a poluição do Rio Ave.

– Informação sobre o trabalho que o município de Guimarães está a efectuar em conjunto com a APA/ARH do Norte de fiscalização e monotorização da qualidade da água do rio.